• Watson IBM já é capaz de detectar emoções humanas

    A computação cognitiva da IBM ganhou novas possibilidades de interação com a Inteligência Artifical e pode perceber o ânimo dos interlocutores

    Ao longo do tempo, os robôs tenham ganhado uma má reputação por sua incapacidade de compreender as emoções dos seres humanos. Mas uma nova atualização IBM Watson pode jogar por terra, de uma vez e para todas, essa crença. Na verdade, a tecnologia de “inteligência artificial” da IBM pode agora compreender os nossos sentimentos. A empresa liberou três novas API do Watson, que tornam possível analisar as emoções e conduzir reconhecimento visual. O resultado da combinação de três parâmetros é uma versão do Watson mais humana e amigável do que aquela conhecida até agora.

    A IBM está expandindo sua colaboração com marcas líderes de diversos setores – como a Under Armour, Whirlpool ou Softbank, entre muitos outros – com o objetivo de desenvolver dispositivos inteligentes para detectar as emoções dos seres humanos. Na Saúde, temos visto muitos casos que evidenciam seu pleno potencial. Uma aplicação ligado ao Watson, por exemplo, pode prever com uma antecedência de quase três horas quando os níveis de açúcar no sangue de um paciente com diabetes vai cair abaixo do desejado. Isto permite-lhe ajustar a dose de insulina ou a dieta para manter as taxas dentro dos limites aceitáveis. A IBM e Medtronic desenvolveram processos analíticos que utilizam o Watson como back-end para um aplicativo no celular capaz de ajudar cerca de 400 milhões de pessoas com diabetes em todo o mundo.

    Embora a API relacionada com o reconhecimento visual se concentre mais na aprendizagem profunda e no reconhecimento de imagem, o analisador de tom será capaz de avaliar as emoções simplesmente pela voz do povo, enquanto as emoções de análise API pode pintar um clima ainda mais clara de cada imagem instantânea.

    A IBM também aperfeiçoou as APIs do Watson Text to Speech e Speech to Text, que podem ser muito úteis para construir assistentes digitais como a Siri ou Cortana para smartphones. Mas esses serviços podem ser usados por qualquer interface de fala, incluindo robôs, área para onde a IBM diz que está se expandindo  com o Watson.

    Outro serviço novo é o Dialogue, que ajuda os desenvolvedores a criar sequências de conversas entre um usuário e uma aplicação, para que um computador possa falar com alguém e guiá-lo por algum tipo de processo. A consequência poderá ser menos humanos e mais máquinas inteligentes atuando nas áreas de atendimento ao consumidor.

    A tecnologia IBM será capaz de ler as nossas emoções para robôs e dispositivos para responder de uma forma mais natural, dependendo nossos humores.